sábado, 13 de outubro de 2018

Aprisionando ideias



Um poema não tem tamanho.
Eu, quando me assanho,
deixo vagar palavras ao léu...
Depois, tiro o chapéu,
para quem consegue ver
o que eu não vi,
dentro do poema.

Um poema, às vezes,
só contém palavras em vão.
São palpitações malditas.
São desilusões escritas,
cuspidas pelo coração.

Não busque um sentido,
onde não há sentido...
Nem fique comovido
com minha sinceridade.

Um poema, na verdade,
só quer desconstruir os conceitos,
e deixar tudo de um jeito
que formem novas ideias.

A.J. Cardiais
11.10.2018
imagem: google

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Sonhos X Realidade



Enfeito minha vida com poesia,
para enfrentar esta realidade
dura e fria.

A realidade não tem 
pena de ninguém.
Vai passando
(junto com o tempo)
e modificando
a vida de todo mundo...

Deixo minha vida enfeitada
porque, quando a realidade vem,
não entende nada...

Ela não sabe se está 
entrando no sonho,
ou se é o sonho
que está dentro dela...

Então ela fica apavorada,
porque na verdade, 
a realidade
não gosta de sonhos.

A.J. Cardiais
imagem: google

terça-feira, 21 de agosto de 2018

As Coisas Possíveis - 2


Não ame o impossível...
Trace seu sonho,
fértil e fácil...

Fértil porque ele terá
várias possibilidades de existir,
e fácil porque ele sempre estará
ao seu alcance.

Dance conforme a música,
e tente não pisar
no pé da vida...

Procure deixar a vida distraída,
enquanto ela estiver
dançando com você.
Repare que a vida e a morte
têm o mesmo sexo: são femininas.

A.J. Cardiais
23.07.2016
imagem: google

Pensamento Inacabado


O que me faz pensar
do jeito que penso,
é a condição que eu vivo.
Por este motivo
não sonho em mudar.

Como será que irei pensar,
se eu tiver muito dinheiro?
Serei verdadeiro,
ou ficarei falsificado?

Tenho medo da riqueza,
já que só sei 
“administrar dureza”.

Com toda certeza,
fortuna me faria mal,
pois me tiraria 
do meu ser natural.

A.J. Cardiais
29.07.2013 
imagem: google

sábado, 18 de agosto de 2018

Um Quase Nada


Eu nunca quis ser certo...
Nem de longe,
nem de perto.

Eu nunca quis ser nada.
Nem caminho,
nem estrada.

Eu nunca quis ser muito.
Eu, que poderia ser tudo,
hoje sou
um quase nada.

A.J. Cardiais
09.12.2011
imagem: google

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Ato Contínuo


Gosto
quando escrevo algo,
e depois me embriago
com o que escrevi.

A poesia está ai:
no ato de se embriagar,
sem beber, sem fumar,
sem usar nenhum artefício.

Poetar não é um ofício...
Poetar é um vício,
difícil de explicar.

Tem poeta que ganha com isso.
Mas é um acontecimento.
Poesia não é um "invento"...

Poesia é um momento,
que poucos conseguem enxergar.

A.J. Cardiais
11.08.2018
imagem: google

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Acreditando no Desafio


Quando a poesia me ronda,
não tenho como escapar...
Nado a favor da onda,
tentando não me cansar.

Quando dona inspiração
resolve dar um empurrão,
é que eu consigo poetar.
Sem este empurrão, não dá.

Ficar ruminando uma ideia,
para agradar a plateia,
não é do meu feitio...

Chego, penso e faço...
Sou de mudar o compasso,
acreditando no desafio.

A.J. Cardiais
18.06.2018
imagem: google

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Veias Pasto


Sinto-me um bravo quando escrevo,
e acho que não devo
satisfação a ninguém.
Talvez algum vintém.

Palavras são como cavalos
que, quando são domadas,
fazem calos
nas imaginações alheias.

Elas pastam em minhas veias:
comem, bebem, cagam, mijam...
Acham um pasto perfeito.

Por isso fico sem jeito,
na hora que tento dominá-las,
receando que elas 

façam as malas.

A.J. Cardiais
14.08.2017 
imagem: google