quinta-feira, 5 de julho de 2018

Peixe na Rede


O coração do poeta
se destrói
e se reconstrói
de forma indireta.

Quando está amando,
ama intensamente...
Isto vai o tornando
um inconsequente.

O poeta não mede,
o poeta não cede...
Ele quer matar a sede.

Depois da sede morta,
o poeta então se comporta
como um peixe na rede.

A.J. Cardiais
11.02.2017
imagem: google

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Pela Continuação da Espécie


Não escrevo pro vazio,
procurando a beleza
ou a riqueza das rimas...

Escrevo por um cio;
pela continuação do poema.

De tempos em tempos,
tudo muda, tudo se transforma,
tudo ganha outra forma...

Mas o poeta caduco,
escreve como um maluco,
atropelando a norma.

A.J. Cardiais
12.05.2018
imagem: google

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Caetano Veloso entrevista seu candidato Ciro Gomes.





Gostei de saber que o meu candidato, Ciro Gomes, também é o candidato de Caetano Veloso. As pessoas que se dizem "politizadas", deveriam deixar de fanatismo e pensar no Brasil. Está provado que o fanatismo cega. Ciro Gomes é o candidato mais preparado para enfrentar esta corja que usurpou o poder. O pessoal do PT precisa entender que os #golpistas, principalmente os "juízes", vão fazer de tudo para que Lula não saia candidato e vai procurar algum entrave para não deixar que Lula assuma, caso ele ganhe. Isso vai fazer do Brasil um inferno. Exatamente o que os estados unidos querem. Não vai ser "na marra" que vamos vencer este golpe. Tem que ser com estratégia. O pessoal do PT já deveria estar pensando em outra opção #AcordapessoaldoPT#Acordapovobrasileiro! É preciso se unir, contra os #golpistas.



A.J. Cardiais

domingo, 3 de junho de 2018

Depois do Ato Sexual














E depois do sexo,
um sentimento complexo...
Uma sensação de vazio,
depois da ânsia, 
do cio.

E depois do sexo,
quando não existe amor,
cada um vai para um deserto...

Cada um carrega sua dor,
cada um leva seus restos.

A.J. Cardiais
01.11.2010
imagem: google 

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Alimento Cultural
















Fique no seu mundão,
cheio de poluição,
que fico no meu mundinho,
repleto de amor e carinho.

Você cria coisas,
para se escravizar.
Eu crio ideias
para me libertar.

Deixo livre a poesia,
e o meu ser...
O que me importa
é o saber, com prazer.

Não procuro saber de coisas,
só para "mostrar conhecimento".
Procuro saber de coisas,
que me sirvam de alimento.

A.J. Cardiais
imagem: google                                                                                                                                                                                    

quinta-feira, 26 de abril de 2018

Desfile no Quarto






















Enquanto você se arruma
para ir trabalhar,
eu fico me deliciando
com o seu “se arrumar”... 

Depois do banho,
vem a melhor parte:
você veste a calcinha
com muita arte,

Coloca o sutiã
e fica desfilando...
Eu finjo que não vejo,
mas estou espiando...

Se olha no espelho,
passa creme no corpo,
penteia os cabelos
e eu ficando louco... 

Depois você se veste
e vai trabalhar.
Enquanto eu fico torcendo
para a noite chegar.

A.J.. Cardiais
imagem: google

terça-feira, 3 de abril de 2018

Transformações













O que sai de mim
são respostas que não perguntei.
O que penso que sei,
são fumaças aos olhos da multidão.

A minha espada é a palavra.
Com ela eu corto as ideias
em pedaços de poemas.

O que penso que sei,
está embutido na ignorância.
O que ganhei com minha andança,
foram calos nos pés da imaginação.

A.J. Cardiais
24.08.2016
imagem: google

Inspiração e Respiração












Não coloco hora no poema,
porque hora não é problema
para quem gosta de poetar.
Então só procuro datar.

A data serve para mostrar
a evolução (ou não) do poeta,
e também que a inspiração 
não segue uma linha reta.

Os altos e baixos nas criações,
devem-se às várias razões.
É como o pulsar do coração:

Hora sim, hora não...
Algumas vezes me inspiro.
Outras vezes respiro.

A.J. Cardiais
03.08.2016
imagem: google