quinta-feira, 19 de julho de 2012

A Carência

imagem: google

À procura de amor
bati em muitas portas erradas...
Destravei portas cerradas
quando mais deveria travá-las.

À procura incessante de amor,
o desejo violento bate sempre.
E muitas portas erradas
surgem na estrada.

É, a carência cega...
E a gente nunca sabe
em que porta está
batendo...

A.J. Cardiais

2 comentários:

varenka disse...

Gosto de tuas poesia e adorei a coruja!Parabéns!Mil beijos.

Meri Pellens disse...

Eu concordo contigo. Mas tbm como saber o q há por trás da porta sem abri-la antes?
Bjs... MP.