quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Poema Aventureiro















Meu poema é aventureiro,
é “trilheiro”,
é pé na estrada...
Meu poema é um nada
sob o sol.
É um ponto de rima
manchando o branco lençol.

Meu poema é mochileiro.
Carrega o cheiro
do suor da caminhada,
sem banho, sem nada...

Meu poema,
quando está cansado,
pede carona
aos poemas “sofisticados”
ou então fica deitado
matutando sobre a loucura.

Ele fez uma jura
batendo no peito:
“buscarei meu direito
dentro da literatura”

A.J. Cardiais
imagem: google

Um comentário:

Marco Rocca disse...

Expressivo poema e de um talento ímpar... Aplausos!!!